Nem Bom, Nem Mau

Outubro

Em época de eleições, o Brasil mostrou seu pior lado. Eduardo, O candidato que parecia ser o mais promissor morreu numa situação adversa (ninguém sabe se de morte morrida ou matada).

Foi substituído por Marina, uma candidata também promissora, mas que queria agradar a todos, o que acabou passando uma imagem de volúvel e indecisa, afastando muitos de seus eleitores. Havia outros bons candidatos, como Dudu Jorge e Luciana, mas o segundo turno acabou retratando a (falta de) consciência política da maior parte da população.

As redes sociais tornaram-se palco de baixarias. O país aparentemente se dividiu entre os dois candidatos, e as pessoas defendiam um ou outro em debates ofensivos a seus (anteriormente) “amigos”. Era a prova real do baixo nível destas pessoas.

Já não se podia demonstrar o voto por um ou por outro, nem mesmo a neutralidade, sem receber críticas ou ofensas. Tolos.

Não repararam eles que:

Não é o presidente que manda no Brasil. Se o presidente toma decisões, ele precisa do apoio do senado, e pouquíssimos foram aqueles que se importaram em pesquisar a vida de seus candidatos a senador, deputados e governador.

Os dois candidatos eram, mesmo que política e pessoalmente opostos, farinha do mesmo saco. Ambos almejavam apenas o poder, embora um utilizava-se da estratégia do populismo, enquanto outro do apoio dos ricos, os que já dominam o poder. No fim das contas, não são bons nem maus, são igualmente egoístas.

A solução que eu vejo para o Brasil é da população se decidir entre ser “bom” ou “mau”. O que, aliás, nem é uma colocação adequada, pois todo mundo tem em si um pouco de bondade e um pouco de maldade.

Colocando melhor, a população precisa começar a ter responsabilidade sobre aquilo que acontece ao seu redor. Se o bairro está cheio de lixo, normalmente não é porque a prefeitura não fez a coleta, mas sim porque VOCÊ o jogou lá. Se o rio está poluído, não foi o vereador que fez ligação clandestina de esgoto… Se os brinquedos da pracinha estão quebrados, não foi falta de educação do filho do prefeito que foi até lá depredá-los… Não são os políticos que fraudam meia entrada no cinema, furam filas, enganam no troco, enganam nas bombas de combustível, fazem “gatos” de água, energia, tv a cabo… É VOCÊ. É preciso assumir a responsabilidade e assumir: o problema SOU EU.

Sob outro aspecto, suponhamos que apenas os políticos de uma nação são “maus”, e todas as outras pessoas são “boas”. Daí ele pretende construir uma creche no bairro, mas quer usar os materiais mais baratos e prestar contas de que usou os mais caros, embolsando a diferença e dando parte a quem participou do esquema. Sendo a construtora honesta, iria realizar esta obra? Sendo o órgão fiscalizador honesto, iria aprovar esta creche quando estivesse pronta? E a população, iria aceitar esta creche mal feita? A resposta é não. O mau político ficaria de mãos atadas, seria obrigado a fazer o que é correto. Eis aí uma solução simples.

Mas o povo continua mais preocupado com o próximo capítulo da novela das 21h, e em quem vai lhe pagar mais pelo voto na próxima eleição.

Como disse Martin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: