Sobre a Teoria Geral da Relatividade

O mês de dezembro foi completamente oposto a maio e junho. Enquanto que naquele tinha tantas atividades que não consegui nem escrever para o blog, fato que acabou me levando a uma total desorganização e atraso com os textos, nos últimos 30 dias tenho tido exatamente NADA para fazer. Ou planejar. Ou produtivo para pensar. Somente um tédio generalizado. Os dias têm se resumido a acordar ao meio dia, procurar vagas de trabalho disponíveis, enviar currículos, assistir séries e televisão e jogar paciência e mais séries até às 2h da madrugada, quando durmo e encerro o ciclo. Chato e enlouquecedor, especialmente para quem se acostumou à correria da universidade e as diversas atividades de Lisboa.

Após um período de leve depressão, decidi usar este tempo livre da maneira mais útil possível. Com indicação de amigos, procurei alguns cursos gratuitos para fazer e ocupar a mente. O ideal era que fossem presenciais, mas só encontrei on line… Ao menos é uma distração útil. Também voltei ao MEO – My English On line – e fiz uma lista de coisas que deveriam ser feitas, mas sempre adiava por preguiça ou falta de tempo. Dentre estas, está à atualização do blog, incluindo os textos dos meses em que fiquei devendo. Publiquei um texto para o mês de novembro e outro em fevereiro, portanto, devo dezembro, janeiro, março, abril e maio.

Fiquemos com este para dezembro. Ao pensar no que poderia escrever sobre dezembro, o que se passava em minha vida, cheguei à conclusão de que não teria nada, pois estava somente envolvida em terminar o trabalho de conclusão de curso e ser aprovada em todas as disciplinas para me formar tão logo quanto possível, e isto não é nada interessante. Então comecei a refletir sobre o quão relativo é o Tempo.

Passaram-se menos de 6 meses, e a minha vida mudou completamente. Fui do “não tenho tempo nem para me coçar” à necessidade urgente de fazer alguma coisa com tanto tempo livre. Percebi que a saída do “meu mundinho” para o mundo euro e depois o retorno ao mundo Real (inclusive monetariamente) quebraram completamente a minha estável relação com o Tempo.

Nos três anos do ensino médio, fiz fortes laços de amizade e tive um bom crescimento pessoal. Durante os longos q u a t r o  a n o s  e  m e i o  em que estive na universidade, praticamente não agreguei nada além de conhecimento técnico/específico. Conto nos dedos de uma mão os amigos que fiz, e ainda assim não são tão próximos quanto os da fase anterior. O amadurecimento foi mínimo, o suficiente para perceber que existem mais pessoas más que boas e para consolidar que só o que cai do céu é chuva, que é preciso muito trabalho e esforço para atingir os objetivos. Já nos simples 11 meses em que estive em Lisboa, fiz amigos tão bons quanto os da época do ensino médio, voltei a ter esperanças nas pessoas, comecei a ver que existem diveeersas realidades e que se pode ser feliz em qualquer delas, tive grande amadurecimento emocional, pessoal e profissional. Nos 6 meses seguintes, segundo semestre de 2013, estive inteiramente dedicada a dois objetivos: me formar e ver meu namorado, e confirmei que tudo é possível com dedicação e perseverança. Mas também, no primeiro semestre de 2014, tive o desprazer de sentir as consequências da falta de planejamento.

Olhando para estes fatos eu me pergunto: como é possível ter tantas experiências condensadas em pouco tempo e tanto tempo com tão pouca vida vivida?

É a forma como escolhemos (ou não) viver, o quanto nos permitirmos estar abertos para o mundo e procuramos oportunidades de crescer como pessoas. É a tal da relatividade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: