Entrando num cenário de filme: London!

O ônibus chegou pontualmente em Porto, e pegamos um táxi (caríssimo) até o aeroporto. Apesar da tensão com o tamanho da mala, o voo foi bastante tranquilo. No aeroporto, pegamos um ônibus até Victoria, e foi o melhor investimento que poderíamos ter feito! Ele circulou toda Londres, e fiquei simplesmente ENCANTADA! As construções são incríveis, os detalhes, a altura dos edifícios, tudo é muito cenário de filme, tudo lindo e praticamente inacreditável!

Chegamos ao hotel (sim, hotel!), e ele é simplesmente a casa de Baden Powel! Tipo, Baden Powel foi um músico incrível, admirado até por Vinícius de Moraes, e eu tenho a honra de estar hospedada aqui, e ainda por cima quando chegamos tinha um grupo ensaiando, canto e música, muito lindo e tudo ao vivo!

Saímos rodando pela cidade, seguindo o mapa chegamos aos lugares mais incríveis, como a London Tower e a Tower Bridge, além da London Eye e o Big Ben! Pena que nossas câmeras não tirem fotos com qualidade a noite, então ficamos de voltar amanhã. Na volta pra casa, procuramos o MC Donalds mais perto de casa para o jantar, e no caminho encontramos outras coisas muito lindas também! Nosso hotel é em frente ao Museu de História Natural, e seguindo mais a frente tem o Museu de , e pouco depois do MC o Harrods, um centro comercial de vitrines encantadoras! Voltamos ao hotel, e nos preparamos para o dia seguinte…

Anúncios

Eu Poderia Suportar, Embora não sem Dor, que morressem todos os meus amores, mas não suportaria se morressem todos os meus amigos

Depois da feijoada do Caxias, dormi bem e acordei com dengo, fiquei na cama… Quando é já já, Dani liga lembrando da Feira do Relógio, em Chelas, na qual os meninos pretendiam comprar mochilas para a viagem de fim de ano. Já estava em cima da hora, então me arrumei e fiquei em casa mesmo, pensando no que fazer do meu domingo. Darlan já tinha saído cedo para assistir ao jogo do Corinthians, que por sinal ganhou.

Pensei em ir à Feira das Almas, mas desisti após olhar as fotos, pois não tinha nada interessante. Resolvi descer ao Chiado em busca do presente do meu amigo secreto, e seguindo bons conselhos de um bom amigo, saí sozinha e cuidando só de mim.  Descobri várias coisas lindas de Lisboa, sabendo olhar pelo ângulo certo ela é sim uma cidade apaixonante!

Voltei para a missa na Igreja da Luz, encontrei Darlan por lá e voltamos para casa. Jose, depois de não comprar nada na feira, passou o dia na FCUL fazendo trabalhos. Dei uma olhada em hídrica, mas já estava desiludida de tanto pensar e tentar e não conseguir nada.

Na segunda o professor tirou nossas dúvidas, e conseguimos avançar um pouco, o que me deu alguma esperança neste trabalho. Almoçamos com Dani, e dei a ideia de fazer um aniversário surpresa para Leonardo, e fizemos mesmo! A noite o pessoal de Laranjeiras (Primos e Bela Moraes) foi para Chelas e comemos um bolinho J

Terça, após a última aula de DTAC, fomos novamente à Chelas, para a noite da Rabanada e do Pão de Queijo Mineiro! É muito bão estar com esse pessoal, e finalmente terminei de entregar as prendas de Natal para minha família de Lisboa: Serenatas de Amor.

Quarta foi o dia da correria e da pizza. Após as aulas, fui ao Colombo comprar os ingressos da Disney em Paris, trocar as Libras, enviar o único cartão que me deu tempo de escrever, comprar as pizzas e o sorvete para o amigo secreto da noite… Foi minha terceira ida ao Colombo na semana, pois segunda comprei parte do presente de amigo secreto, terça comprei a segunda parte e uma toalha de rosto para a viagem, e quarta tudo isso. Cheguei em casa morta, ainda organizei algumas coisinhas e me arrumei para o amigo secreto. Foi a arrumação mais difícil, pois já tinha separado todas as roupas para a viagem.

A noite foi excelente, embora estivessem presentes alguns membros que não fazem bem parte da família, o que meio que formou dois grupinhos distintos, mas tudo muito agradável, como sempre é com a companhia de pessoas que se gosta. Chegando em casa, as meninas mostraram uma foto de Diogo com sua nova menina, e isso mexeu comigo…

Quinta acordei triste, e passei o dia praticamente a chorar e a lutar com minha mala. Depois de muito estresse, consegui fechá-la com tudo que achei necessário para os 15 dias no mundo: de Porto para Londres, daí para Paris, de Paris para Milão, de Milão para Roma e daí para Lisboa.

Nossa família se despediu de nós: Saulo mandou mensagem, Camila e Rayssa pelo Skype, Dani, Belas e Leo nos acompanharam até o ônibus, em Sete Rios! Foi muito lindo, realmente criamos laços muito fortes!

Por que te machucas, rapariga tola?

Louca de vontade de desistir da disciplina de Energia Hídrica. Não aprendi nada e só faço me estressar com o trabalho, o qual também não aprenderei nada. Passar por passar não tem a menor razão para mim, então a desmotivação pesa mais ainda.

Despedida da balada na quarta Urban. Esquente muito giro aqui em casa com as meninas 🙂 Voltei da festa me sentindo bem a menina da música de Charlie Brown Jr., música com a qual eu já me identificava tanto que queria que fosse a da minha formatura, mas como não terei formatura…

“Ela não é
Do tipo de mulher
Que se entrega na primeira
Mas melhora na segunda
E o paraíso é na terceira
Ela tem força
Ela tem sensibilidade
Ela é guerreira
Ela é uma deusa
Ela é mulher de verdade

Ela é daquelas
Que tu gosta na primeira
Se apaixona na segunda
E perde a linha na terceira
Ela é discreta
E cultua bons livros
E ama os animais
Tá ligado, eu sou o bicho”.

Descobri que os filmes bons e que precisam de atenção para serem compreendidos não combinam com namorado, pois assisti “O Cisne Negro” com Diogo e achei um tédio, mas assisti novamente com as meninas e achei sensacional!

Saí as compras com o pessoal, e encontrei um sobretudo tão perfeito que se tivesse sido feito sob medida não seria tanto! Foi amor a primeira vista, do jeitinho que eu queria, vermelho, de lã, acinturado e com botões até a altura dos quadris, as mangas com o comprimento perfeito, a barra com o comprimento perfeito… Lindo, e o preço também!

As mineirinhas fizeram uma feijoada maaaara em comemoração ao aniversário do Caxias, a comida estava tão boa que eu fiquei toda animadinha!

Mas acabei permitindo que besteiras tirassem um pouco de minha alegria. Maaaas, vou me libertar dessas miudezas que me fazem mal! 😉

Sonhei

Sonhei e fui, sinais de sim,
Amor sem fim, céu de capim,
E eu olhando a vida olhar pra mim.

Sonhei e fui, mar de cristal,
Sol, água e sal, meu ancestral,
E eu tão singular me vi plural.

Sonhei e fui, num sonho à toa,
Uma leoa, água de Goa,
E eu rogando ao tempo:
– Me perdoa
E eu rogando ao tempo:
– Me perdoa

Sonhei pra mim, tanta paixão,
De grão em grão, verso e canção,
E eu tentando nunca ouvir em vão.

Sonhei, senti, sol na lagoa,
Céu de Lisboa, nuvem que voa,
E um país maior que uma pessoa.

Sonhei e vim, mares de Espanha,
Terras estranhas, lendas tamanhas,
E eu subi sorrindo esta montanha.
E eu subi sorrindo esta montanha.

Sonhei, enfim, e vejo agora,
Beijo de Aurora, ventos lá fora,
E eu cantando a Deus e indo embora.
E eu cantando a Deus e indo embora.

“Quando a gente está carente, beija até o hipopótamo da caixa de cereal”

Neste último mês minha vida virou do avesso, deu três pulinhos, amarrou-se em nó e desatou em desordem.

Desde o dia 09 de novembro, antes do qual tudo vinha perfeito, na fatídica noite em que eu deveria ter ido ao cinema em casa de Isabela Moraes, tudo tem estado muito louco.

Recebi visitas e não fiquei feliz. Pessoas entraram para o meu Guiness, recorde de chegada e partida. Passei a semana cansada e estressada. Fiz comprinhas para as viagens de fim de ano (partindo de Porto para Londres-Paris-Milão-Roma), recebi novas visitas de fim de semana (que começou com música brasileira na Urban!), estranhei uma parte da galera mas fiquei muito feliz com a outra. Porém continuei cansada, e com a bagunça da casa não conseguia ordenar nem meus pensamentos. Mais um fim de semana de visitas, e finalmente fiquei plenamente feliz (com direito a aliteração!).

Minhas visitas foram fazer turismo com Jose, e na volta da aula resolvi dar um passeio no parque aqui em frente (finalmente!). Conheci um cachorrinho, que me chamou de amiga e decidiu brincar comigo… eu brinquei com ele igual com as minhas, ou seja, de correr e pular em cima! Seu dono brigou conosco (com o cachorro, na verdade, mas eu tive culpa), pois os cachorrinhos portugueses são extremamente educados e não podem pular nas pessoas. Seus donos é que não são, pois deixam seus cocós (é, por aqui tem acento agudo) nas calçadas. O dono era muito fofinho, batemos um papinho sobre cachorros e subi para fazer o cuscuz pra galera que tinha saído para o tour Lisboa.

A partir dessas visitas felizes, comecei a pensar no futuro, em quanta gente conheci por aqui, a maioria legal (graças a Deus). Em quantos destinos de férias terei quando voltar, se o dinheiro e o tempo permitirem. Também pensei se conseguirei levar esses laços para toda a vida, como minha Familhuska e o pessoal lá de perto de casa, com quem cresci…

Nesse clima meio reflexivo, fui para a balada com as cats, pois Bela Moraes entrou em festaterapia. Encontramos Pedro Pina, que estuda comigo e me voou. Pra quê ele foi fazer isto? Eu simplesmente AMO que me voem, e com essa sensação parece que despertaram todas as minhas saudades físicas: pegar meu Filhinho negão, cutucar meu irmão quando ele está no computador, morder meus amigos, tomar banho de mar, passear na orla com a saia enroscando nas pernas, queimar a língua com brigadeiro quente sentada no chão frio da sala assistindo filme com os amigos, ficar na porta “passando frio” e colocando a conversa em dia, dirigir a noite com o som alto e o vento brigando com a resistência do ar na janela, esconder minha carinha num peito de um abraço forte…

Acabei sonhando com meu pessoal, o que juntando com a tpm, e meu mêsversário de 3 meses em Lisboa, e acordar super tarde da balada (16h), e sozinha em casa, (pois era quinta e eu sou a única pessoa nessa cidade que não tem aula na quinta), me levou a acordar chorando e veryveryvery carente. Liguei para trocentos amigos, mas a vodafone decidiu que não iria me deixar falar com ninguém exceto Diogo, só fez gastar meus créditos nas outras tentativas. Acabei parando de chorar me distraindo com outras coisas e mensageando meus amigos louquinhos daqui mesmo. Melhorei com um banho de lavar a alma e uma boa dose de leite condensado com farinha láctea com frutas e flocos de aveia com mel (Neston) Pingo Doce. Já a noite, enquanto estava no face tentando resolver o último hostel da viagem, pois minha hospedagem de Roma furou, vem o senhor Diogo conversar comigo que sentiu-se mal com minha ligação, pelo simples fato de que não me ama mais e já está gostando de outra…

Depois de um dia de choro infinito, acordei bem melhor. Fizemos um jantarzinho em família na casa de Bela e de lá fomos para uma festinha na residência da Nova de Lisboa em Campolide. Nesta noite, antes do jantar, uma visitante à casa de Chelas foi assaltada no metro, caiu da escada e ficou ferida, o que causou um clima tenso de início, mas nada que nossa brasilidade não esteja acostumada. A noite foi histórica, pois o cuscuz arrancou sorrisos espontâneos para foto do Diego Marinho, o menino que nunca sorri para as fotos. Acordei no meio da tarde de sábado, e passei o fim de semana estudando.

Na segunda-feira fiz minha primeira prova oficial desde o dia 19/05. É, bate aquela depressão, ainda mais porque a prova foi fora do horário de aula, a noite, e eu ainda não tinha voltado da faculdade sozinha e a noite. Me lembrou bastante de quando eu saía da UFAL, atravessava-a toda e ia buscar Diogo, que me acompanhava até o ponto, ou eu ia deixá-lo em casa de carro. Passada a saudade, voltei ao normal (ou quase…)

Jose e eu dormimos demais, e só fomos pra aula prática de desenho. As cats estavam pilhadinhas para ir a open de sangria no Bar Viking… eu não queria ir, traumas da festa anterior, mas como iam todas as girls, resolvi ir também. Nos divertimos muuuuito! No meio da festa descobrimos que ia ter strip, e rimos pra nos acabar da striper, que só serviu para aumentar nosso ego e nos fazer sentir gostosíssimas! Ao fim da noite, para fechar com perfeição, Leonardo acrescentou sua opinião sobre algumas pessoas, e ele teve a mesma impressão que eu, o que me deixou extremamente feliz!

Pretendia ir da balada direto pra aula de hídrica, tirar as dúvidas do trabalho, mas ao ver Jose dormindo me faltou coragem, e entreguei nas mãos de Saulo! Dormi o soninho dos justos, acordei novinha e fui ao cinema com o pessoal. Assistimos um filme excelente, Cloud Atlas, e voltamos para casa todos inspirados.

Na minha quinta feira forever alone, fiz almoço, limpei a casa toda, fiz compras mas desconsiderei que estava chovendo e precisava de mais uma mão para a sombrinha e acabei malhando o braço com as sacolas, jantamos e dormimos. Sexta rolou festinha ESN, fomos andando até quase Belém para ficarmos barrados na porta pois estava muito cheio, mas no fim foi melhor, pois fomos à Urban e aproveitamos a noite!

Foi um fim de semana de mais visitas, algumas introspectivas, outras super legais, e aparentemente a vida está voltando ao seu curso normal.