No Clube Deles

Aos meus AMORES -> "Feio" Fofíssimo e Txio Chato Malvado      

Já diria o ditado: em Roma, como os romanos. O dito popular só não ajuda muito quando o assunto é se misturar ao sexo oposto. Calma, não estou falando de operações para readequação de órgãos essenciais. Falo da possibilidade de passar um tempo com gente do outro time – no meu caso, entre rapazes – e não ter problemas com isso.

Pois é uma ciência complexa, a união de gêneros. Tudo é diferente. Eles apertam mãos, nós damos beijinhos; eles tiram sarro, nós nos magoamos; eles bebem coisas fortes, nós engasgamos e fazemos careta; eles dançam descoordenadamente, nós morremos de vergonha; eles odeiam compras, nós podíamos morar dentro da Zara. Eles nem sabem o que é a Zara. Nós sim, principalmente quando chega a fatura do cartão. E por aí vai.

O caso se resolve fácil para quem não tem muitos pudores de separar as turmas. Homens sentam no quintal, mulheres sentam na cozinha, todos papeiam com os seus iguais, fim de história. Mas não é tão simples para quem, como eu, sempre se sentiu mais afeita às banquetas em torno da churrasqueira do que às almofadas de cetim da sala.

Nada contra minhas queridas colegas da ala feminina. Cada dia adoro mais ser uma moça. Mas sempre achei os meninos tão bacanas… Eles tinham muito mais liberdade, lá no começo da conversa. Andavam por onde queriam, não ligavam de sujar a roupa, falavam o que dava na telha – coisas, enfim, que podiam me render arranhão, punição ou boca lavada com sabão. Não era chato ser menina: apenas tinha uma grande curiosidade pelo mundo deles.

Hoje, duas das pessoas com quem mais converso, rio, gargalho, choro, reclamo, discuto e passeio, são rapazes. Duas criaturas ímpares. Por causa deles, cada dia descubro mais um relance da personalidade masculina. É estranho, mas é um aprendizado.

No cinema, eles me deixam escolher o filme, a hora de chegada, o lanchinho, a poltrona. E depois reclamam de todas as minhas opções. Fazem de pura palhaçada, só para me ver envergonhada e tentando dar explicações tolas como “mas Coca Light é gostoso sim… e não engorda”.

Eles não têm namoradas, mas eu sei o que vai em seus corações na grande maioria das vezes (d um só, na verdade)– de quem gostam, o que sonham, como imaginam. São dois rapagões altos e fortes (fortíssimos….), mas ouso dizer que suas funções coronarianas são revestidas de manteiga. Nunca vi meninos mais sensíveis.

Para quem pensa que homem não tem seus dramas, eu digo que descobri tudo: sentem cada coisinha, mas muitas vezes preferem não dividir. Ao contrário de mim, que choramingo no ombro deles a cada unha lascada. E olha que isso é bem injusto, pois se começar a contar aqui o que os meninos já passaram e ainda passam nessa vida…

No lugar deles, eu já teria sido derrotada mil vezes. Já teria posto os bofes pra fora de gritar e chorar. Aprendi, ali com os dois, que homem não traz a força no muque, e sim na valentia. E já me peguei, mais de uma vez, pensando “o que eles diriam se me vissem arregar assim?”.

Quando ouço que amizade de homem e mulher não é verdadeira, eu dou de ombros e finjo não ter ouvido. Vou passar a mão no telefone, combinar uma pizza com os meus amigos e contar sobre a besteira que ouvi. Depois a gente vai rir de outras bobagens, criticar o time alheio, fazer chacota de alguma coisa, insultar-nos mutuamente (com carinho). Eles vão comer demais, eu vou insistir na gostosura da Coca Light, talvez alguém pague a conta de todos. Eles vão me dar boa noite com abraços e mandar tomar cuidado na rua.

É bom demais ser uma menina. E é muito, muito bom também estar no clube deles.

Por Fla Wonka (mas faço minhas as palavras dela.) Amo vcs seus maus!!!!

Seis Formas de Amar

Ah, é claro: tem aquela coisa de pendurar faixa na rua, mandar caixa de bombons e contratar seresteiros para cantar “Codinome: Beija-Flor” na porta do ser amado. Mas demonstrar afeto não precisa ser, digamos, esse ato descarado, cheio de pirotecnia. Entre amigos, por exemplo, as menores ações é que extenuam os maiores sentimentos. E talvez você aí tenha sido alvo de uma enorme declaração de amor, só ainda não percebeu.

Não acho que mostrar carinho precise envolver altas somas de dinheiro ou palavras que fariam William Shakespeare se sentir um estivador insensível. Às vezes, mesmo sem dizer um A ou entregar pacote com laço de fita, amor e amizade são escancarados ao universo. Tudo depende de ser atento, de gostar realmente do outro e de perceber o que mostra o sentimento.

Já percebeu como é fácil notar que alguém nos adora com todo o coração? As atitudes é que demonstram tudo isso.

Ligar em datas bobas
Telefonar no aniversário ou para dar feliz Natal é praxe. Alguns infiéis esquecem até mesmo disso, mas o costume é cumprimentar o amigo ao menos na comemoração de seu nascimento. Demonstrar amor, porém, é ligar quando ele faz aniversário de casamento – e olha que você nem foi padrinho. É bater um fio ao lembrar que o cachorro dele morreu faz exatos dez anos. Ou que hoje completa-se um ano da mudança da sogra para o Acre. Isso sim é lembrança apaixonada.

Levar um quitute predileto
Manda a boa educação que, ao visitar um amigo, leve-se ao menos um vinho debaixo do braço. Ou cerveja, tequila, refrigerante de uva dois litros, que seja. Mas bonito de verdade é aproveitar a chance e presenteá-lo com uma caixa de paçoca em formato de rolha, com dois Dip’N’Liks achados no fundo do mercado, com um saquinho de Confete ou qualquer coisa que apenas ele vai apreciar de fato. Laços se fazem assim.

Ajudar com a casa
Nunca me esqueço de uma passagem do livro “
Mothern – Manual da Mãe Moderna”, quando uma das moças falava sobre “amizade pós-parto”. A chegada do bebê em casa, traumática em todas as mudanças que traz, fica amenizada quando os seres queridos estão por perto. Um amigo da mãe recente, no desespero de ajudá-la naquela situação, não teve dúvidas: foi para a lavanderia, abriu a tábua de passar e tratou de assentar as roupinhas do neném. Puro amor ou o quê? Dar uma mão lavando a louça, juntando os copos ou arrasando na vassoura também vale.

Avisar de um programa
Então você está lá, bobamente zapeando canais – e variando entre dois minutos no Discovery Health, meia hora no filme do Van-Damme e três segundos parado no Canal do Boi. Toca o telefone, e é uma boa alma informando que no History Channel acaba de começar a reprise do programa sobre o Egito que você estava morrendo pra ver! Não tem dinheiro no mundo que pague um amigo sagaz e rápido de telefonema como esse.

Passar e dar carona
Proporcionar o carreto de pessoas devia contar pontos no céu. São divinos aqueles que proferem o “deixa que eu te pego” – e buscam o amigo na porta e entregam no mesmo local após o programa. Alguns mártires ainda deixam o carona escolher a estação de rádio e regular o ar condicionado. Não bastasse, há quem desvie bairros e bairros do seu caminho para apanhar o colega. Tem que haver um cantinho do paraíso para quem ama ao próximo desse modo abnegado.

Mandar cartão postal
Para mim, esse é o ápice da doçura, do apego, da camaradagem. Imagine: o indivíduo está em merecidas férias, distante de tudo e com a chance máxima de se desvincular da rotina caseira. Pois ele para na barraquinha e usa seus parcos trocados em um cartão; acha tempo de escrever uma mensagem bacana e sucinta; usa os neurônios para lembrar-se o endereço do destinatário; lambe um selo de gosto ruim; acha uma caixa de correio confiável para depositar a coisa toda. E um ato aparentemente tão simples cruza o mundo como uma linha aérea de amizade e vai fazer a alegria de outro há quilômetros de distância. Lindo, sublime. Seguramente, uma das melhores formas de amar.

http://garotasquedizemni.ig.com.br/archives/001865.php

Amor Perfeito

Paulo Massadas
 
Fecho os olhos pra não ver passar o tempo
Sinto falta de você
Anjo bom, amor perfeito no meu peito
Sem você não sei viver

Vem, que eu conto os dias
Conto as horas pra ter ver
Eu não consigo te esquecer
Cada minuto é muito tempo sem você, sem você

Os segundos vão passando lentamente
Não tem hora pra chegar
Até quando te querendo, te amando
Coração quer te encontrar

Vem, que nos seus braços
Esse amor é uma canção
E eu não consigo te esquecer
Cada minuto é muito tempo sem você, sem você

Eu não vou saber me acostumar
Sem sua mão pra me acalmar
Sem seu olhar pra me entender
Sem seu carinho, amor, sem você

Vem me tirar da solidão
Fazer feliz meu coração
Já não importa quem errou
O que passou, passou, então vem,

Eu não vou saber me acostumar
Sem sua mão pra me acalmar
Sem seu olhar pra me entender
Sem seu carinho,amor, sem você

Vem me tirar da solidão
Fazer feliz meu coração
Já não importa quem errou
O que passou, passou, então

Vem, que eu conto os dias
Conto as horas pra ter ver
Eu não consigo te esquecer
Cada minuto é muito tempo sem você, sem você

Vem, que nos seus braços
Esse amor é uma canção
E eu não consigo te esquecer
Cada minuto é muito tempo sem você.

My Immortal

Evanescence
 
Estou tão cansada de estar aqui
Reprimida por todos os meus medos infantis
E se você tiver que ir
Eu desejo que você vá logo
Porque sua presença ainda permanece aqui
E isso não me deixa em paz

Essas feridas parecem não querer cicatrizar
Essa dor é real demais 
Isso é simplesmente muito mais do que o tempo não pode apagar

Quando você chorou, eu enxuguei todas as suas lágrimas
Quando você gritou, eu lutei contra todos os seus medos
Eu segurei a sua mão por todos esses anos
Mas você ainda tem tudo de mim

(…)
Seu rosto assombra
Todos os meus sonhos (…) 
Sua voz expulsou
Toda a sanidade em mim

Eu tentei com todas as forças dizer a mim mesma que você se foi
Mas embora você ainda esteja comigo
Eu tenho estado sozinha todo esse tempo
 
Quando você chorou, eu enxuguei todas as suas lágrimas
Quando você gritou, eu lutei contra todos os seus medos
Eu segurei a sua mão por todos esses anos
Mas você ainda tem tudo de mim..

You

Evanescence

The words have been drained from this pencil
Sweet words that I want to give you
And I cant sleep, I need to tell you… goodnight

When we’re together I feel perfect
When I’m pulled away from you I fall apart
All that you say is sacred to me
Your eyes are so blue, I can’t look away as we lay in the stillness
You whisper to me, lady, marry me, promise you’ll stay with me
Oh you don’t have to ask me, you know you’re all that I live for
You know I’d die just to hold you, stay with you
Somehow I’ll show you that you are my night sky
I’ve always been right behind you
Now I’ll always be right beside you

So many nights I’ve cried myself to sleep
Now that you love me I love myself
I never thought I would say that
I never thought there’d be you.